sábado, 31 de julho de 2010








( Rafaela Mazzaro, do Caderno DONNA, ZH dia 13/06/2010)

Na maioria das vezes, o pintor se atém a estímulos que são unicamente visuais para transpor uma mensagem nos limites físicos da tela. Para Juarez Machado, esta afirmação, além de arbitrária, minimiza a produção de seu trabalho mais recente.

A coleção Le Parfum composta por quadros inspirados em novas variações de fragrâncias, que têm lançamento previsto para o final deste ano, é um presente aos olhos e ao olfato.

O convite para realizar a série de 13 obras não foi uma desafio para o artista plástico. Extremamente interessado nos sentidos, na década de 1980, Machado já se aventurava a descobrir novos cheiros.

A cada nova descoberta, percebia que havia tanto a desvendar nos prazeres dos perfumes que acabou desistindo da pesquisa. Não que o interesse tivesse diminuído, até porque a lembrança dos aromas das colônias de suas primas sempre chamaram a sua atenção desde criança. Mas a pesquisa se tornou tão ampla, que o artista achou melhor focar em algo mais específico.

— A relação com o perfume e a memória é mais forte do que a visão. O perfume é um passaporte rápido para as lembranças —, reflete.

Em 2008, quando resolveu retomar a ideia de representar as experiências olfativas em suas obras dando atenção apenas ao glamour e a sedução diretamente ligados ao uso dos perfumes, o artista conseguiu chegar onde queria. Os 35 quadros foram tão elogiados em Paris, que a única recordação ficou apenas no catálogo.

Admirador do trabalho do joinvilense, Josef Einzemberg, dono de uma perfumaria de Paris, tratou de encomendar a coleção de que também estampará as embalagens dos perfumes femininos e masculinos.

Todos as obras são inspiradas nos produtos. Em nomes como “Diabolic”, “Tentation” e “Love Affair”, o artista destila a coleção que será lançada em Moscou e depois circulará por outros países.

Misturando várias produções ao mesmo tempo, o artista é hábil não só com as mãos que esculpem e também pincelam, mas também com as palavras. Todos os textos dos catálogos são de sua própria autoria.

— Ninguém melhor do que eu para falar sobre as obras. Até porque, não acho que deve-se explicá-las. O público é quem vai decidir —, diz.

Para falar sobre os quadros que representam cada sensação olfativa, Machado define, em breves palavras, que na mistura das cores há muito de sentimentos pessoais. Talvez seja este o segredo do mestre.

Juarez Machado estréia no dia 16 de outubro a sua próxima exposição em Paris. Le Parfum que ficará na Galerie Valmay, na Rue de Seine, um mês inteiro.

3 comentários:

Anônimo disse...

Beleza de proposta do Juarez. Estive no seu estúdio em Paris há alguns anos atrás, e além da sua hospitalidade, demos muita risada com suas histórias divertidas. Bjs
Lee Swain

(l' excessive) disse...

Olá, mocinho Swain!
que prazer tê-lo aqui! Invejinha, invejinha, invejinha saber que você esteve no atelier parisienne de Juarez! Sorte dupla: por ter estado em PARIS e pelo privilégio de poder estar com o artista!
Céus!!!!
Que maravilha!
Um abraço, moço sortudo!

Tatieva disse...

Merci l'excessive pour cette belle découverte. Je ne savais pas que Machado avait imaginé une série sur les parfums et quels parfums !
Des effluves divines...
Thank u, à bientôt !
Tatieva